Destaques

 

 

UDEMO | 10/03/21 | Atualizado em 10/03/21 13:59


MANIFESTO DA SUPERVISÃO DE ENSINO POR UMA AGENDA UNIFICADA E O MÍNIMO DE AUTONOMIA

Que a pandemia acelerou a transformação digital que deveria ocorrer nos próximos dez anos, isso é um consenso.

Se não fosse o estado de exceção e calamidade que estamos vivendo deveríamos comemorar tamanha conquista.

Não somos reacionários. Reconhecemos os avanços e nos limites do bom senso, podemos dizer que estamos comemorando cada conquista.

Porém, na condição de supervisores de ensino, não podemos e não devemos nos omitir em participar e atender o que nos é determinado no artigo 74 do DECRETO Nº 64.187, de 17 de abril de 2019 a saber:

Artigo 74 - As Equipes de Supervisão de Ensino têm as seguintes atribuições:

I - exercer, por meio de visita, a supervisão e fiscalização das escolas incluídas no setor de trabalho que for atribuído a cada um, prestando a necessária orientação técnica e providenciando correção de falhas administrativas e pedagógicas, sob pena de responsabilidade, conforme previsto no artigo 9º, inciso I, da Lei Complementar nº 744, de 28 de dezembro de 1993;

[...]

i) informar às autoridades superiores, por meio de termos de acompanhamento registrados junto às escolas e outros relatórios, as condições de funcionamento pedagógico, administrativo, físico, material, bem como as demandas das escolas, sugerindo medidas para superação das fragilidades, quando houver;

Pois bem, nós supervisores, por meio deste manifesto, estamos informando às autoridades superiores as condições de funcionamento pedagógico, administrativo, físico, material, bem como as demandas das escolas, sugerindo medidas para superação das fragilidades   e os problemas que as unidades escolares estão enfrentando.

Assim, por meio deste MANIFESTO passamos a elencar os problemas mais urgentes que exigem mudanças de rumos por parte das equipes centrais da SEDUC.

1- Excesso de reuniões, lives e outras ações propostas no CMSP. Somos capazes de entender que as equipes da SEDUC têm boas intenções e querem oferecer formação e IN-formação para toda rede. Porém, é necessário bom senso, e considerar o espaço/tempo que as equipes das Diretorias Regionais de Ensino e as Unidades Escolares dispõem para atender a demanda. Estamos chegando no cúmulo de tentarmos assistir duas reuniões ou lives ao mesmo tempo!!!

Há quem tente dizer, que não somos “obrigados a assistir tudo”, ou “devemos priorizar o que é importante”. Ora, se a SEDUC elege o assunto é porque é prioridade. Se não é importante, não deve ser pautado.

Tudo o que é disparado pela SEDUC tem endereço certo: A ESCOLA!!! É no chão da escola, que está montado o picadeiro do circo de horrores que estamos vivendo!!!

É preciso lembrar que todas as ações que são desenvolvidas dentro das escolas requerem processos, que necessitam de tempo para que sejam implementados, avaliados e corrigidos. Não existe mágica. Não estamos tendo tempo sequer para pensar. Será que estão imaginando que basta apertar um botão e já se executa a ação com um clique?!?!?!?

Lembrem-se que todas as ações pensadas e disparadas têm como público-alvo a escola e que a escola conta com recursos humanos e materiais, preestabelecidos que não tem como multiplicá-los ou esticá-los.

Não é possível acompanhar a quantidade de lives e videoconferências de ações disponibilizadas no CMSP. As equipes das Diretorias não conseguem e as equipes escolares muito menos. E não adianta dirigentes e outros argumentarem que tudo isso fica gravado e disponível para se assistir depois. Todos nós precisamos ter nossos momentos de descanso. Temos nossas famílias e precisamos de descanso. Precisaríamos de meses para dar conta de assistir tudo o que estiver gravado. Isso gera estresse e ansiedade.

Temos visto nossos gestores (diretores, vice-diretores e professores coordenadores) assistindo a duas reuniões on-line ao mesmo tempo. Isso é absurdo!!!!

Nós precisamos de tempo para implementar, acompanhar e corrigir os rumos das ações que são propostas. Além disso, cada escola possui especificidades que precisam ser pensadas...

Não podemos continuar assim.

É preciso repensar, DISCUTIR as ações que são propostas.

Estamos confusos, cansados, ansiosos. Fala-se em acolhimento de todos, mas não se acolhe as equipes que estão na escola.

Não existe critério para se entupir a escola de “FORMAÇÃO”, ou seria de IN-formação?

2- COMUNICADOS e RESOLUÇÕES. Todos os dias, inclusive aos sábados, nossos e-mails e aplicativos de mensagens são invadidos com COMUNICADOS e Resoluções que mais confundem que esclarecem.

Nos vemos perdidos em meio a tantas informações que em muitas situações são contraditórias.

A impressão que temos é a de que a equipe da SEDUC não tem um planejamento tampouco uma agenda.

3- CMSP/Formação engessada. Em primeiro lugar queremos deixar claro que não somos contrários ao CMSP, mas a forma como o CMSP tem monopolizado o espaço das ATPCs tem provocado um engessamento das formações em nível local. Já dissemos anteriormente que as ações acontecem no chão da escola.

Não está sobrando tempo para discutir a aprendizagem dos alunos, as ações que precisam ser discutidas, avaliadas e desenvolvidas, considerando as especificidades de cada escola.

É preciso repensar esse modelo de formação urgentemente.

Deixamos aqui um questionamento:

Qual é a concepção de formação de professores que norteia a política pública da equipe da SEDUC?

Diante do exposto é indispensável que a SEDUC organize uma agenda UNIFICADA com todas as ações que são propostas para as escolas e Diretorias de Ensino e ficará visível que as ações propostas não cabem numa agenda que seja viável.

Por isso é necessário que nos seja devolvida a autonomia na formação dos professores e na discussão das nossas prioridades.

Queremos uma agenda clara com prioridade para a aprendizagem dos nossos alunos e a formação dos professores.

Abraços fraternos

Profº (Nome omitido)
Profº (Nome omitido)
Profº (Nome omitido)
Profº (Nome omitido)
Profº (Nome omitido)


Participe, também, do Grupo de divulgação da UDEMO no Facebook!

 

 

 
Filie-se à Udemo